A Luz Solar


Luz solar desencadeia calor estonteante
Causa brilho à vista de qualquer um
Purifica as paisagens em lado algum,
Inverte o semblante.

Em todo o caso faz-me ter frio do calor,
Suscita o fabuloso cheiro desta flor,
Amarga no interior mas doce no latifúndio,
Que é a vida do martírio

Entre o fumo sísmico e a queimadura colossal
Percorre-me o ambiente gélido do ar,
Cá baixo está um homem a cantar:
A música desigual!

Candidaturas pressionadas pelo desprezo
Embarcações perdidas,
Jamais serão achadas,
Tal como este pensamento que prezo.

Pobre mente tão triturada,
Pelos seus devaneios.. Pelos próprios devaneios!
Treme-me a vista. O corpo é d’um cativeiro.
Dali já não há personalidade embriagada.

Rugas que penetram as vozes coração,
Espalham-se-lhe as calúnias por infâmias,
Sobe-lhe o sangue à cabeça numa oração,
Tudo pelas longas astronomias!

Álvaro Machado  - 08-03-2012 / 15:08

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Desventura insensata

Assim.