A brisa acrítica e agreste


Ouve-se o vento ao caminhar
Numa brisa acrítica e agreste
Vêm-se poetas de leste,
A este Portugal observar
Os grandes costumes
Dos que por aqui passaram
E deixaram:
A réstia de esperança,
O calor da lembrança,
Tudo.. Impresso nos volumes!

Que é a vida, que é o infinito,
Que é a imortalidade a que fomos expostos
Que é o fim a que estávamos dispostos,
Percorrer este caminho. Seja bendito,
Ou mal dito! Mas que se diga!
Percorrer, escrever pela cantiga!
E deixei-me de viver.. Cansei-me de esperar!
Reza-me o destino que nunca hei-de encontrar.

Que borboleta, reflecte poisada
Que homem, estimula um espectáculo
Solta um veloz risada
Influência o obstáculo!
Levianos os jovens que desmentem
Quão levianos são
Os mestres sem coração?

Álvaro Machado - 14:58 -09-04-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Desventura insensata

Assim.