Floresta alheia


Névoa floresta alheia,
Cheia de cheiros e sensações,
Causando esquisitas impressões,
Na lagoa de Medeia.

Formosas plantas em sóis amarelados
Choravam, alegremente, a orquídea
Despedaçada sem rédea
Pelas raízes encurraladas.

O seu camarim interior sonhou o teatro d'vida
Imparcial à floresta,
Numa longa ida,
E nada lhe resta...

E as silvas, solitárias, riam
Daquilo que viam
Seu ego em demasia,
Deslocavas-as à fantasia.

Álvaro Machado - 22:13 - 04-05-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Desventura insensata

Assim.