Obscuro Domingo


Vida que nada vales,
Dia que nada és,
Domingo de males,
Tu o és.

Espero que compreendas,
O que te digo entre metáforas,
Abandonas-te em nome de velhas lendas,
Novas diáforas.

Dia que não vivo
É no meu ser,
Algo sem acontecer.
Se vivo!

Não somos, não existimos
Somos catástrofes em progressão
Diferentes masoquismos!
De volta ao apagão...


Alberto de Régio - 15:39 - 06-05-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Desventura insensata

Assim.