Malas velhas



Tenho dois mil anos de vida
Percorri-os até dizer chega...
Minha alma (vejo que se apega!)
Quando estou de partida

Arrumo as malas velhas, abandono-as pelo quarto
Elas estão cheias de pó; juntos delas vão fotografias
Tiradas, por turistas, retratam as antigas vias
Do Infante, de nome quarto.

Percorri estes dias fitando o Tejo...
E, de costas voltadas, vi-me mergulhar
Numa paz e num sossego que me fez pensar
Estar a sonhar o belo Tejo.

Álvaro Machado - 1:41 - 05-07-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil