Homem egocêntrico


Egocêntrico espírito de águas inquietas
Exalta o que de mau há e parte sem sentido...
Acha um novo estilo de excentricidade
E faz tudo parecer verdadeiro

A corrente está brava e calma, feroz e sensata...
Já lá vão as memórias do eu marinheiro -
Que nunca fui, nem em sonhos tinha sido...
Inda assim percorri as águas da infelicidade

Finda todo o espírito de águas inquietas
Ele continua o caminho ainda a gritar
Subitamente cai de joelhos e olha Deus
Seu último momento fê-lo acreditar,

Nós homens fomos feitos de ilusão
E os que vão pela rua fora, altivos,
Iludem a própria ilusão dos vivos
E verdadeiros nunca serão.

Álvaro Machado - 17:24 - 15-08-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante