Terra triste


As pessoas entristecem a terra, lavam-na em lágrimas,
Escorre, escorre e escorre toda a memória
Da água que cai dos inférteis solos
Abre-se um túnel a meio caminho da glória
E escorre até ao fundo aqueles rostos,
Estranhos aquela terra, minha cidade natal…
Seus rostos são de um barro sem meios
Que atinge um fim súbito e infernal
(E escorre a água, escorre as lágrimas!...)


Álvaro Machado - 23:11 - 20-08-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante