Cachimbo do velho


Ao caminho desconsolado, feito observador,
Contemplara um velho moreno fumando
Um cachimbo a vapor.

Velho moreno vestido a rigor, pensando,
Baixo, curvado, triste sobre a praça...
Eu era único achando-lhe graça.

Está triste. É do vento e da paisagem.
Ele tira os óculos e sobre ele uma mulher
Acena-lhe com a mão, uma qualquer,

E diz-lhe, enfática: «Quero eu fazer viagem!»
Nem lhe respondeu, apenas concordou
Para seguirem por onde também vou.

Fomos todos nessa turbulenta ida...
E vendo a paisagem e vendo aquela vida
Engraçara com o velho do cachimbo...

Ao caminho desconsolado, já desaparecendo,
Fixara um velho moreno fumando
Um cachimbo, nunca o sendo...

Álvaro Machado - 18:54 - 12-10-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil