De costas voltadas


Vai embora, ainda é tempo.
Foge desta escuridão sem fim.
Deixa o resto pr'a mim
Porque é meu lamento...

Corre por essa névoa eterna!
E não olhes mais para trás!
O resto são sensações más
Que o vinho dá na taberna.

Entrámos noutra dimensão...
De costas voltas p'ra ti, que vais longe,
As cores enfraquecem pela escuridão...

A chuva que chove leva-te ao deserto
E cedo encontrarás a esfinge
(Serve-a de coração aberto!)

Álvaro Machado - 11:41 - 26-10-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

de folha em folha, tudo cai vão