Enquanto dia


Um dia, quanto muito era dia,
numa chama ardente que ardia
mais do que podia queimar

E, sendo assim, fogo que não queimava
por ali foste e por ali a tua chama continuava
a arder os orvalhos sem cor, os sobreiros de aço
e a paisagem por ali também cansava...

Contada a história do que foste
continuarei o raciocínio numa noite
em que já não eras mais que simples traço

Essa, e não outra, era noite despojada
em que tudo chegara finalmente a um fim
(e a luz brilhava como se tudo fosse nada)

Álvaro Machado - 22:42 - 19-10-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

de folha em folha, tudo cai vão