Frio



Está frio dentro do corpo frio e morto.
Mas isso não vale para que estejas triste…
Fria e triste, mais que física, dolorosa,
É essa mente…

Ela cruza os braços, impotente. Deixa-o ir
A caminho do próprio funeral, última passada
Lenta e fria e dolorosa, morre e ela não-sente
Que aquele morto é pura bondade

Se estou à espera dessa vinda,
E sei que nunca virás,
Essa espera eterna nunca cessa
E o desespero há-de continuar

Venhas ou não venhas, estou morto. Acabei….
Só porque te espero? Não!
Significa-se abandono… nada quero…
Nem a ti, nem a esse rosto…

Álvaro Machado – 17:00 – 10-09-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil