Minuciosa solidão


Enverguei pelo caminho da razão
Sem nela existir formosura nenhuma
E nunca terá retorno lógica alguma
Para esta minuciosa solidão

É-nos longe as formas e perto a miragem
É-nos impossível não ter ideias ou motivos
Para retractar à noite, em sonhos altivos,
Numa notícia de longa tiragem...

Amamos coisas que são inexplicáveis!
Rejeitamos ter vidas fáceis!
Queremos o céu ainda que impossível seja
E desejamos sentir-nos uma harpa que harpeja,

Melodias tenebrosas que nos dificulta respirar,
Que compõe completas obras-primas que alteram
Rumos à nossa vida, por com a razão aspirar
À outra terra que sempre quiseram...

Andar a mando de outros? Vagamente ir na corrente?
Nem que sobre a nossa vida só reste histeria corporal!
Ir pela maré vã só por também essa gente
Não se abrigar do temporal?

A estrada continua e o percurso inatingível
Por esses que iguais vão pela avenida...
Só eu nessa solidão sentida
Sei que é possível...

Álvaro Machado – 16:21 – 22-10-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Desventura insensata

Assim.