Um esquecimento esquecido


Esqueçamos quem merece ser esquecido, pois nunca foi relembrado.
Esqueçamos o próprio esquecimento das coisas esquecidas!
Esqueçamos a origem desconhecida, esqueçamos o final imprevisto!

Ninguém está a salvo enquanto for vivo, ainda que bondoso seja...
Ser ninguém é viver próximo das qualidades exógenas ao mundo
(Eu... A forma mais trágica da invisibilidade!)

Andar às voltas pensando razões e motivos por aqui estar
Vivo sobre a forma encarnada de coisas supostas!
Deambular pelas ruas fumando compulsivamente coisa nenhuma
Ainda que vivos sejamos interpretes d'uma personagem!

Tenho vivido p'ra além do que é compreensível, creio eu!
Tenho vivido uma inteira repugnância pelas pessoas
- Boas ou más, sonhadas ou reais, calmas ou ébrias -
E tenho sido muito mais do que podia, mesmo não merecendo.

O fel que me acerca sem piedade dá-me vida noutras vidas...
O sabor a inutilidade causa-me náuseas trágicas...
(Eu... A forma mais louvada do inútil!)

Parto que já é tarde: esqueço a ira impossível de não esquecer,
Esqueço a parte em que criei uma peça dramática
P'ra esquecer o meu próprio desmantelamento...

Álvaro de Magalhães - 20:27 - 29-10-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

de folha em folha, tudo cai vão