Fúnebre canção




Silêncio atravessando a sala de estar...
Pouca ou nenhuma luz atravessando...
Mistérios anímicos que estão a olhar
Para nós, e para quem está jantando...

Coisas de nada fazendo sentido nenhum...
Mais silêncio na sala, mais solidão...
E vem ao fundo fúnebre canção
Onde sentido padece a algum...

Não é verdade, nunca será, as coisas do povo.
Em meia palavra, em meio sopro gesticulado,
Como se o momento pudesse ser cantado,
Eu sozinho me comovo...

Não é verdade, não pode ser; é-o de outra forma
Que não esta de andar e ver e achar
As mil formas ditas, se pudesse ser norma,
À espera do passo último para cantar...

Silêncio, mais silêncio no alto deste jantar...
Queira eu para mim o que já pude, mas agora não;
Queira eu, com todo um engenho e arte, cantar
Mais altivamente do que esta fúnebre canção...

Álvaro Machado – 21:27 – 05-11-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão