Na verdade


Na verdade nada do quis aconteceu.
Por nada, nem por ninguém.
O dia que quis cedo anoiteceu
E a luz esqueceu.

Na verdade o que sou é indiferente.
Por ti, ou por mim, de maneira inerente.
O dia que cedo foi noite esquecida,
Em mim fui um crente.

Bem haja o dia e esta manhã de raios de sol;
Bem haja a vontade de sair, de ir ao além...
E a verdade é só inventada e enternecida
Quando a luz partiu e anoiteceu.

Álvaro Machado - 10:59 - 06-11-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante