Opium




Por mais que ache ou pense ou queira ser ateu
O meu princípio é o que de mais religioso pode existir.
Ver Deus? Ouvir santos? Imaginar o céu e a imortalidade?
Ah! Quem não sonha isso não pode ser chamado de gente!

Pois a curta duração que havia passado na terra, há anos atrás,
Era, pois, dedicada ao culto divino a algo ou a alguém superior.
O resto da mente apagada seria; a vontade de crer em algo
Era, assim, algo que soltava a náusea de ser algo...

Ser ateu seria ter o mundo a nossos pés. Ser e não ser, o impasse,
É só o passo da indecisão entre o que fica alheio a nós
E a igreja do outro lado da estrada, que é a fachada disto.
(E ainda achei possível percorrer este caminho sozinho?)

Álvaro Machado – 21:27 – 12-11-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão