Solidão




O maior medo que nos atravessa a mente
É o medo de estarmos sós, sem ninguém;
É viver sem aspirações e tombar ao funeral
De que ninguém chorará!

Passarmos o inverno sem que haja mesa posta,
Nem lareira que nos aqueça de preenchimento;
Passarmos a primavera sem uma flor ao peito,
Nem um mandatário que a ofereça...

Assim é a vida de quem está só, de quem tem
Como sua companhia a solidão
Que nunca verá ninguém...

E é implorar para que alguém caída dos céus
Caia nos seus braços, presa para sempre...
(Eternamente com devaneios únicos...)

Álvaro Machado - 21:38 - 20-11-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão