Breve cachimbo




Acendido de um cachimbo sonhado
A vida de quem partiu cedo de mais
Por um só dia em que tudo foi demais
E parecia fumo nunca acabado...

Deixa o fumo ir até ao fim do lago,
E o corpo à tona para não respirar…
Tudo se tornará um fumo vago
E por dentro, irei naufragar…

E um cachimbo pode alguém retractar
Apenas com o fumo do encantar
Sobre as memórias acabadas...

E um fumo de brisas afagadas
Espera à porta dos sonhadores
Que morreram sem amores…

Álvaro Machado – 22:39 – 05-12-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante