Enevoada viagem


Contemplo no chão do meu quarto
As estrelas de origem desconhecida
(Será o meu olhar que ilude?)
Que tanto dizem da vida.

Da distância entre o quarto e a rua,
Está uma névoa intransigente
De um cerrado nevoeiro de lua
(Será a percepção de gente?)

E nos snobismos passos longínquos
Que oiço, tudo é ermo, tudo é oco,
Tudo é excessivamente desconhecido
Para eu questionar o que havia sido...

E por que contemplo e suponho a dúvida
Aos céus, aos mares e às estrelas intocáveis?
Nenhum de vós queira saber mais da vida;
Nenhum de vós sabe mais do que isto!

Álvaro Machado - 21:27 - 26-12-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Nostálgico.

Nota final