Sem viver




Não queiram, nunca, nascer.
Entre a escolha de viver
E de não-viver, escolham não vir
Ao mundo, escolham não existir.

Quem nasce sofre já com o nascer.
O fruto é colhido, vem ao mundo,
Não escolhe se quer ou não, irá sofrer
No refúgio vagabundo.

Por que vimos nós na vida razão de viver?
Por que somos nós felizes se isso acontecer?
Ninguém é feliz ao viver, ninguém!

E quem saiba da vida e do amor
Junte-se a mim, junte-se a esta conversa,
E saiba dizer por que razão há dor!

Álvaro Machado – 21:16 – 12-12-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante