Descortinar mundo



 
É a olhar sob os confins do mundo
Que descortinámos a nossa inutilidade,
Vimo-los bem de perto com um olhar
E sentimo-los longínquos ao pensar
Que ao vê-los não lhe podemos tocar...

É a olhar sob os píncaros do mundo
Que verdadeiramente entendemos
As nossas fraquezas, as nossas limitações,
E ver é somente a prova que vivemos
Fechados e presos às ilusões...

Pois eu que continue a olhar assim...
Isso não é realmente a derrota da humanidade...
A derrota da humanidade é ver na vida o nosso fim,
É ver noutros uma entrega cheia de felicidade,
Para uma vida que será sempre p'ra todos e não p'ra mim...

Álvaro Machado – 11:12 – 25-01-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante