Longe de viver




Viver é estar longe de nós.
Enquanto caminhamos tristemente,
Em nossa volta parece-nos tudo belo
E só nós somos o longe vagamente...

Pelo caminho, os olhos erguem a esperança
De tentar encontrar um lugar que nos acolha...
Mas logo nos cai a realidade tão crua, tão nua,
Que viver é estar longe de nós.

Lá em cima nos guia uma luz - uma vezes guia bem,
E traz carinho; outras deixa a desejar um fim...
A luz guia-nos o olhar de uma história esquecida,
De uma eterna mágoa perdida...

E a realidade de nós é sermos longínquos
Como os sentimentos que temos uns pelos outros,
Todos tão distantes e desconhecidos entre todos!
A realidade é não sermos nada.

(Quando me ilumina a luz, não penso
E vivo tão distraidamente que pareço apreciar a vida,
Mas, quando me apagam a luz, e cai o desejo ao anoitecer,
Só sinto falta de esperança em mim...
Porque a luz brilha intensamente uma ilusão?
Porque parece chama intensa? Ela é tão fria como real,
É tão triste como existente... E eu sempre a procurar a luz
De um coração perdido buscando rostos desconhecidos...)

E é vivendo longe de mim que vivo.
Viver não é p'ra mim, viver é não me encontrar!


Álvaro Machado – 20:17 – 14-01-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil