Não ser tu




Eu acho-me o que não sou,
E penso como quem pensou
Pode ser o que não é.

Vindo em cismo da papelaria,
E quando já é noite caída,
Penso por que não posso ser

Como tu, que é-lo superior de genialidade
E tu sabe-lo perfeitamente;
Nunca contestei a tua superioridade,

Porque eu apenas tento fragmentar
O mundo que nunca hei-de acreditar...
- Nós, sempre distantes, o vimos

Como ninguém viu, sempre sentimos
Como ninguém sentiu, sempre fomos
O irreal do que não somos -

E não sei se corroboras com este pensamento,
Porque tu és, afinal, todo o talento
De que eu nunca hei-de ser!

Álvaro Machado – 22:42 – 28-01-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil