Ó mundo! Voar, Voar!




O mais bonito que há
É voar ao infinito,
Nunca mais voltar cá.
É voar, é voar, tenho dito!

Sobrevoar oceanos e vales,
Cruzar peixes e aves,
E todas as espécies que existam.
É a voar que encantam!

Pena não nos terem concebido
A arte de voar ou de respirar
Submersos; A arte é não encontrar
Arte no homem vencido...

Porque o mais belo do mundo
Nós não temos nem podemos ter;
Voar é tocar aos píncaros e ser oriundo
De outra terra, de outro amanhecer!

O mais bonito que há
São as estrelas que brilham intensamente
De um outro espaço, mais belo do que cá,
Que todos os dias nos atravessa a mente!

Voar é compreender
E subir ao cimo de nós;
Voar é erguer a voz
E do mundo nada entender.

Álvaro Machado – 21:21 – 20-01-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante