Pequena nota




Pequena, a nota, de avinhar tempestade.
Os dias nos dão uma eterna saudade
De pessoas que nunca conhecemos
E há saudade dos dias que nunca veremos
Pela penumbra de uns versos saudosos.

A tempestade virá. E a saudade finda aí.
Virá, porém, com a mansuetude de nunca acabar...
 - Isso só nos revela a ilusão em que podemos acreditar
Por um tempo que por aí vai.
Os tempos são tempos tempestuosos.

E deixá-la-emos desvanecer com o que sentimos,
Pois isso é um ciclo de vida que nunca vimos
A cidade está em escombros e nunca haverá irmandade
Que nos erga com o coração, porque ele está em saudade
Com o que não somos.

Álvaro Machado – 23:08 – 29-01-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante