Pequeno alívio d'alma


Eu estava fechado numa pequena sala.
Era escura e doía pensa-la.
E todo o mundo lá fora me esperava
- Quando saí nem acreditava.

O sol escondido nas nuvens acizentadas,
As aves voando sobre as casas
E eu, parecendo também com asas,
Voava de costas voltadas...

Senti alívio em tudo; já não pesava a alma...
A esperança renascia de uma tarde calma,
E todos me sorriam, todos me adoravam...

O vento batia-me na face e já não sentia amálgama,
Já não sentia impossibilidade no prazer de viver da fama.
E todos me sorriam, todos me admiravam...

 Álvaro Machado - 15:05 - 15-01-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante