Prematuro




Hoje ainda não nasci
E o meu destino é nunca nascer,
O que quero não sei querer
E há a ideia de que já morri.

É triste ser assim tão frio
Como as horas passadas à lareira
Neste inverno coberto de fogueira
Que arde até ao rio.

Ainda não nasci, nem o desejo;
O que quero? É só não nascer,
É só não vir, é só esquecer...

Há o sabor de morte prematura,
Há a dor incontornável que sempre dura,
E o que quis? Nunca quis nascer...

Álvaro Machado - 20:29 - 21-01-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil