Às vezes




Sabes que eu às vezes fico a pensar
No que afinal nos tornámos,
Se realmente sabemos se somos
Alguém que tem tanto p'ra dar...

Só às vezes, porque não quero cismar
Nestas coisas que nos impedem de viver;
Só às vezes eu penso no que vai acontecer
Se isto tudo, um dia, acabar...

O consenso, quando se chega a ele, é iludir
Quando não se encontram respostas p'ra nada,
Porque tu sabes, ó miragem, que serás sempre amada
Quanto mais por quem está p'ra vir...

Só fico triste nestes momentos, sabes?
Parece que vivemos para nada e nada é vivido,
Parece que somos para nada e nada é esquecido...

E o medo que carrego é nunca te encontrar...
Continua longe e assim nunca hei de lá chegar...
Só fico triste às vezes, quando penso nisto...

O que eu sei? Que fico confundido, e não persisto.
Deixo-a esquecida no fundo de uma gaveta
E pode ser que assim te veja mais d’ perto.

Álvaro Machado – 20:22 – 07-02-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante