Em inocência




Estive mais inocente
Que uma gaivota quando voa
Quando senti tão intensamente
A mágoa do precipício.

E é aí que peco por ser inocente.
Cair era o meu destino e era simples.
Se eu caísse talvez fosse contente
Com as más coisas...

Em frente, haste erguida comigo ao leme:
O destino agora é ir aguardando
Até que, quando inocência findar,
O meu corpo possa enterrar.


Álvaro Machado – 19:34 – 24-02-2013
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil