Entontecer




O vazio do meu coração
É como a chuva fria
Que cai pelo chão
E que me esfria.

Que, quando cai, me desnorteia
Entontecendo-me até à noite morta;
O próprio vazio, a própria alma absorta
São um vazio de ideia...

Parece que não existo
Ou que tu estás longe como o infinito...
A sensação é de sofrer
Enquanto estiver a chover...

Porque quem ama não deixa escapar
O coração que está encostado à chuva;
Se porventura ouvi-lo-ão desertar
Não foi ele, foi a chuva.

Álvaro Machado – 19:17 – 21-02-2013

Comentários

  1. Porque quem ama não deixa escapar
    O coração que está encostado à chuva;
    Se porventura ouvi-lo-ão desertar
    Não foi ele, foi a chuva.

    Muito bom, vou seguir

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante