Flocos




Está frio e do cimo das nuvens caem flocos
Que me congela as pálpebras.
É uma questão de tempo e de horas
P'ra passarmos a ser uns loucos.

Está frio, que parece a derrota mais derrotada,
E a neve acumula e vai embalada
Como sendo uma avalanche
Que me manche,

E me leve com ela montanha abaixo...
Porque, quando eu me for, sairá este frio
Da cidade inteira, e deixará de correr o rio
Mais abaixo do que mim abaixo...

Porque sou um vazio nublado de onde cai neve
E os que me procuram sabem que fui quem nunca teve
Algo para além do frio da alma, do gelo das pálpebras...
(E o meu coração espero que nunca o abras...)

Álvaro Machado – 13:24 – 02-01-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil