Interior d’mar




Batem ondas d'um mar frio
E a sentir, sinto-as quando sorrio.
É interior deserto então de o sentir,
É interior sem mar que está p'ra vir

E talvez o oiça só p'ra me enganar,
Talvez o que oiça nem seja mar
E as ondas que me batem são sons
Que passam pelas mãos dos bons.

Que me tenham assim no interior:
Em cidades onde se não vê mar,
Mas em que podemos sonhar mar
Dentro de nós, porque é glorificador.

 Álvaro Machado – 21:08 – 04-02-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

de folha em folha, tudo cai vão