Majestoso




Estou rendido a este sol majestoso
E quem está ali, naquele jardim,
Parece seres tu a olhar para mim
Enquanto balouças neste dia esplendoroso

As minhas mãos, já vencidas, rendem-se
Ao sol que brilha tão intensamente;
Ténue de a ver vagarosamente
Elas, por ti, prendem-se...

Imperador sol dos doze reinos solares...
Hoje, as estátuas desta terra amam...
E eu vou alucinando enquanto brilhares
Por entre memórias que me recordam.

Dormir é deixar passar
Este dia para um amanhã incerto
E o destino estará sempre aberto
Porque este dia há-de nunca cessar!

Álvaro Machado – 20:29 – 14-02-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil