Rendição




Rendido. O peso de consciência é demasiado.
Prendido nos recônditos mais sombrios,
Pesa à alma as desgraças de toda a humanidade
E pesa tudo, só num pensamento.

A depressão de estar sozinho e de não ter com quem falar.
De estar deitado e de não conseguir fechar os olhos.
Tudo é culpa de antecipar um sentimento ou uma acção,
Que talvez nunca será realizável,

Mas dói entrar nessa abstracta antecipação.
Só rostos enfraquecidos tomando-nos a consciência!
E nós enlouquecemos porque eles não deixam
Que este peso se afaste...

Estar rendido é o preço a pagar para quem não tem forças
Nem vontade de espírito para continuar;
E no quarto está escuro, com as más energias sobre o ar:
Quanto rendido posso eu estar?

Álvaro Machado – 01-03-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante