Voltar




O mais fácil seria nem sequer olhar.
Aceitar o mais inconcebível de todos os factos.
Esquecer que há algo mais no horizonte
E nunca sabermos o que é...

As mais belas paisagens ao ar livre,
Os sons melódicos do Mar,
As aves sobrevoando de ilha para ilha,
O sol a relembrar a nossa existência...

Tudo isso é a prova de não haver prova nenhuma,
De sermos sempre a mesma rocha, da nossa vida
Predestinar-se a um desejo já dado como impossível
Antes disto tudo...

Se olhar para o indefinido vejo transparentemente que existo.
Entendo o que há de mais alheio, o de mais incompreensível...
Estranho é o melhor tempo estar para trás e não podermos
Virar-lhe as costas, voltá-lo a viver e esquecer que existimos...


Álvaro Machado – 22:20 – 11-03-2013
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil