Anos de procura!




Chega-nos o tempo inconformado
Por partirmos antes da altura
E enquanto esgota o nosso passado
O futuro dá-nos a cura

P'ra viver o presente do momento
Entregaram-nos às portas do mundo
Para que o fossemos desvendando
Partindo ao descobrimento!

E passamos. Esquecemos que passamos.
Mistérios, tantos mistérios procurámos
Com aquelas esperanças dos tempos
Em que com tudo sonhámos,

Tempos de glória, tempos vãos,
Tempos que hão-de chegar!
E enquanto nos foge das mãos
Com o tempo andámos a passear!

Depois todos os temos que criamos
Nos abandonam na idade avançada;
Chega-nos o tempo em que nos conformamos
Que a nossa vida foi tão desperdiçada!

Álvaro Machado – 20:22 – 05-04-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante