Curvatura sentimental


O sentimento curva-se à ablepsia
E a importância do que sentimos
Passa a não ser assaz a cada momento
Em que só queremos o bem de outrem.

A partir daí, a ataraxia apodera-se de nós,
Os sonhos desmoronam-se, a vida normal enovela-se,
A liberdade aprisiona-se, a satisfação destrona-se,
E tudo em nós é o bem de outrem.

Aquele céu já mais não é o que vimos
Nem aquela lua é mais a fonte de inspiração;
Que este ar, esta vida, este coração
Nós mais sentir não sentimos

Para outrem poder sentir
E viver longe do silêncio e da tristeza,
Para poder erguer-se em vez de se curvar
E escolher viver em vez de se matar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil