A história.




Tenho estado na linha do horizonte
Nem perto nem longe,
Sempre uma miragem para quem vê,
Sempre uma distância para quem pensa.

Quebrei a índole em que sempre confiei
Tão cega e fielmente.
E quando me volto para as casas, ébrio,
Não consigo vê-las como dantes.

Quem sou esquecera quem era;
Como dantes as casas brilhavam
Se a mente se imbuía de felicidade,
Essas mesmas casas, agora, são apenas sombras.

Vivo, por agora, nos extremos de quem não pode,
Nem aguenta, nem perdura, certamente, por muito tempo.
O lado de lá, a velocidade da luz que me mata, e que vocês vêem,
É a fria distância da minha alma.

Álvaro Machado - 22:28 - 03-06-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante