Livre




A liberdade que é sofrimento.
A liberdade que é distância.
- Que os livres são os que daqui partem
Para a liberdade.

Mas estar na vida é não estar...
O fim é de novo começar...
Se dentro de mim espelha-se a tristeza leviana
- Leviana, porque nem é profunda, nem perdura por muito tempo -
Devo à liberdade pouco coisa.

A vida emerge das profundezas da morte,
Mas quem coabitamos é o cadafalso:
Estamos sempre entre o tudo e o nada,
Entre a vida e a morte, constantemente.

Livre pouco é o que diz que é livre.
Porque a liberdade traz sofrimento, traz distância...
E poucos escolhem caminhos difíceis e nunca certos.
Viver é tão pouco para a liberdade.

Álvaro Machado – 14h00 – 03-06-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão