Céus…


Pinto com as cores vivas
O céu morto
Se me ouso a desobedecer
A vontade de Deus.

Para mim viver é muito mais
Do que imagens...
As aparências cheias de nada
É a maneira de ser homem...

E eterno é o silêncio de noite calma
Onde, sobre absortos pensamentos altivos,
Nasce a grande esperança de viver
Somente a olhar estrelas fulgentes...

(E vocês sei que não me mentem
Como toda esta gente e todo este mundo
Que me rodeia sem eu querer...
Vocês alentam-me a alma,
Fascinam-me com tanta beleza,
Dão-me tanta vontade de ver
Além destes lugares, de sentir e chegar além...
São vocês toda a razão de eu viver
Na esperança de imaginar novas vidas,
Novas descobertas a caminho da felicidade...)

E é tão bom escrever sobre o céu claro que pinto
E o céu obscuro que presencio.
Ambos pertencem ao universo
De ser escritor!...

Apre! Vida de infortúnios e de incertezas!
Sou mais; e mais não sou do que ser como vós…


Álvaro Machado - 23:11 – 07-07-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante