Decadentes


Oiçam a alma decadente
Dos homens que vagueiam...
Eles são quem mais sente
E pela vida cambaleiam...

Pouca é alma que agora
Não se contenta em não pensar...
A constante busca de outrora
Já deixou de inquietar...

É tempo de passear
Conformado com a vida...
Nunca a mais sentida
Foi a minha a passar...

O mais perto fica nunca perto,
Fica, senão longe, nunca descoberto...


Álvaro Machado - 01:55 - 16-07-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil