Libertai-vos.




Mas quem é que me diz o que faço?
Quem?
Eu sou livre! Tenho alma como ninguém tem!
Eu deambulo por entre todo o espaço!

Vocês: todos iguais,
São um excremento;
Ao mesmo tempo todos são intelectuais,
Mas ninguém têm um pensamento
Nem por um breve momento!

Grito! Estou vivo se ouso gritar!
Subo ao púlpito de Deus
E grito com todos os sonhos meus:
Só a minha vida posso eu comandar!

Isso! Façam enchente, contestem-me na praça!
Vociferem insultos, lancem em mim a desgraça!
De vocês não tenho medo: tenho coragem!
O mundo, sim, o mundo... Lá vem a conversa inútil!

Quem, no meio de vós, pode sequer ousar
Escolher o caminho que eu hei-de caminhar?
Nenhum! Jamais! Nem nenhuma regra, nenhuma instante.
Eu sou quem escolhe o que vou ser daqui adiante!

Tomarei o rumo que assim tomar
Contra tudo aquilo que no meu caminho se atravessar!
Porque tenho em mim a liberdade de pensar
Qual o rumo a tomar!

Vós não. Vós só sois o que os outros são.
Mas quem ousa então? 

Álvaro Machado – 22:27 – 16-07-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante