Luas e noites


De há muitas noites
A vida passa e não pára.
E tu, sempre que me encontres,
Continua na viagem da vida
Sem parar.

Se me vires, sou apenas alguém
Que, em vez de viver, esperou.
E esperou sozinho, sem ninguém,
No demorado corredor das incertezas
Para sempre.

A lua está poisada,
Poisada durante a noite.
E enquanto vais, nessa longa caminhada,
Espera por mim, estou no convés, em cismo,
Como se nada disto existisse.


Álvaro Machado - 23:12 - 02-07-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão