Praia e Mar



Nunca quis que o tempo passasse
Do tempo em que o meu coração
Se enchia de pequenas alegrias
Encantadas pela paz interior.

Passou, porém, tão velozmente
Que conseguiu separar o corpo e a mente
De cada um de nós
- Cada um seguiu o seu lado.

E agora é tempo de estar só.
Com as emoções e os sentimentos sepultados
Algures numa praia amarga e esquecida
E com o coração cravado nas profundezas desse mar.

Estou assim de olhos postos na vida,
Agora que o tempo me concebeu saudade.
E sempre que os meus olhos movem
Vêem e não vêem a cara minha metade.


Álvaro Machado – 18:15 – 13-07-2013
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante