Retomados


Fosse tudo a retomar, tudo de novo a surgir
(A não ser que o destino fosse favorável!)
Os mesmos silêncios a tomarem existência
A disforme liberdade a entontecer...

E as mágoas desaguarem num riacho impossível
(Como eu estar sozinho a escrever...)
Pedras submersas, naufragadas de mar em mar,
De vidas vazias sem razão de existir...

Mas volta a corrente para as levar
Para o lugar sombrio de onde vieram,
O mesmo porto sombrio e sozinho
De volta ao que era…

(E os sonhos acabarão por chegar…)


Álvaro Machado – 16h00 – 06-07-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão