Evangelho


Não há bondade, nem reino nenhum
Que eu possa desejar
Enquanto estiver lúcido e disposto a pensar
Que não sou qualquer um.

Estou cansado que digam o que é certo, o que é errado.
Limitem-se às vossas limitações enquanto crentes.
Vocês não são mais do que serventes
Do mundo que, rezando, está amaldiçoado.

Nenhum livro me dirá para não sonhar
Com ordem superior e irrefutável.
Farei sempre o impensável
Custe o que custar.

Ser ousado, e ousar, é um acto nobre e superior
Que deveria acolher-se de bom grado.
Todos os livres-pensadores que se foram a deus teriam amor
Se ninguém os tivesse enganado, atraiçoado.

Álvaro Machado - 17h50 - 02-09-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil