Indeed!


Decididamente o meu corpo aquece
Quando não tenho respostas, nem consistência.
E por isso o infinito universo arrefece
Quando pesa a consciência.

Eu não existo. Nenhum de nós está aqui.
Com cruzamos é um sonho que nos juntou,
Que mais tarde ele mesmo nos abandonou.
E mesmo assim vivo intensamente, como se fosse daqui.

Sinto um amor intenso pela vida e por toda a gente.
Fico num estado frenético de tantas incertezas me perturbarem!
E as voltas que o mundo dá, mesmo à minha frente,
É a razão para vocês donos do universo se sagrarem.

Mas o silêncio propagasse numa encosta a norte
Para o nosso interior reflectir o que há para além
Da ponte que separa o mundo de outro que nunca vem.
Aí o tempo será mais forte.

Decididamente, amo o universo e sinto-me enlouquecido.
Vida que um homem leva como um vagabundo!
Só porque quis saber mais, conhecer mais o mundo
E como poderia ter acontecido!

O cachimbo que respira o universo...
A água que manifesta deus...
O espírito sagrado e disperso
Que vai dizer-nos adeus...

E eu quis para mim a diferença, o caminho impossível.
Não o habitual inglês que está conformado
E só chega onde sabe que é chegar acessível.
O meu, diferente, é sonhado.

Nunca queriam que por aqui tivesse vindo
E eu vim...
Sabia-o. Era o destino traçado para mim.
E eu ia-o seguindo.

Mister Winston - 01:41 - 03-09-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil