Índole


Se eu sou como sou,
Eu não desejo ser.

Deixo a escorrer
Como água que molhou.

Tudo se sonha,
Porque tudo é sonho.

É uma alta montanha
Num sítio enfadonho.

Isso é ser assim,
E não crer ser assim.

Se contesto, não consinto.
Se vou é porque sinto.

O espírito perpetua a escuridão.
E o mar é imenso. Uma vastidão.

O tempo voa, é tarde.
Um dia encontrar-te-ei, cara minha metade.


Álvaro Machado – 12-09-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante