“Quem me segue não andará nas trevas” (Jo 8,12)


Deus quis que o pensássemos.
Embebedou o universo flutuante
Para que cada um de nós fosse crente
E nele acreditássemos.

Desfez-nos da alma
Para que escutássemos o seu aproximar.
Atirou-nos para o ambíguo fim de mar
Que dá a sensação de transmitir calma.

(Nem tão pouco isso sabemos!)
E inevitavelmente nascemos…
Com que propósito continua Deus distante?

Talvez a minha vida seja só mais uma,
Daquelas que lutou por um motivo alucinante
E nunca teve, ao concretizar, sorte nenhuma…

Álvaro Machado – 16:15 – 01-09-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil