VI


Em memória de: Eupátor Dionísio

Hei-de voltar…
De noite é ódio, agora.
Jurei-me vingar:
Tenho honra.

Hei-de sagrar
Meu corpo como só eu sei.
Por momentos está por se consagrar
Ilha vazia, inteiro rei.

Hei-de superar
A dor que me infligiram…
Inda sou pequeno e estou a chorar.
Vocês nem sabem quanto me magoaram…

Serei o melhor quando voltar.
Não terei piedade com quem não teve comigo.
Serei o vosso pior inimigo
Quando perto de vós chegar.


Álvaro Machado – 13:01 – 14-09-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil